sexta-feira, 3 de junho de 2016

Sorte ou Azar…



«Na antiga China havia um miúdo duma aldeia remota muito pobre que tinha um sonho. O sonho do rapaz era ter um cavalo. Um dia pernoitaram na aldeia, um conjunto de guerrilheiros, entre eles havia um potro que não conseguia acompanhar a marcha. O chefe da guerrilha ao saber do sonho do miúdo foi ter com ele e deu-lhe o potro, realizando o sonho do rapaz e ao mesmo tempo livrando-se dum estorvo.
Um vizinho ao tomar conhecimento do ocorrido foi ter com o pai do garoto e disse-lhe: “O teu filho tem cá uma sorte!”
“Ora essa! Porquê?”, perguntou o pai.
“Ora, o sonho do teu filho era um cavalo, e então não é que lhe ofereceram um potrinho. Isto não é sorte?”
“Pode ser sorte ou pode ser azar!”, comentou o pai.
Certo dia o cavalo foge. O vizinho sabendo da notícia foi ter com o pai do garoto: “O teu filho é de azar”
“Por quê?”, perguntou o pai.
“Então, o teu filho queria um cavalo e ganhou um potrinho. Agora o animal que tanto gostava fugiu. Não é azar?”
“Pode ser sorte ou pode ser azar!”, comentou o pai.
O tempo foi passando até que um dia o cavalo volta à aldeia com uma manada selvagem. O menino, agora um rapaz, consegue cercá-los e fica com todos eles. Observa o vizinho: “o teu filho é mesmo de sorte! Ganha um potrinho, cria, ele foge e agora volta com um bando de cavalos selvagens.”
“Pode ser sorte ou pode ser azar!”, respondeu novamente o pai.
Certo dia, o rapaz estava a treinar um dos cavalos quando caiu e partiu uma perna. Vem novamente o vizinho: “ o teu filho está mesmo enguiçado não há dúvida! O cavalo foge, volta com uma manada selvagem, o rapaz parte uma perna a treinar um deles, puxa!”
“Pode ser sorte ou azar” insiste o pai.
Passados alguns dias o reino onde moravam declara guerra ao reino vizinho. Todos os jovens são convocados para a guerra menos o rapaz que estava com a perna partida. O vizinho, “o teu filho é mesmo afortunado...”»

É um conto chinês muito antigo, mas a vida é mesmo assim, tudo o que nos acontece pode ser sorte ou azar. Depende do nosso ponto de vista e do caminho que trilhamos na vida. O que parece um azar num momento, pode ser sorte noutro, o que agora parece ser um infortúnio pode ser ditoso no futuro, talvez seja por isso que não consigo deixar de ser um indefetível otimista.

                                                                       Sintra, 03 de Junho de 2016
                                                                                  José M. T. Gomes

quinta-feira, 23 de abril de 2015

As Novas Igrejas

Diariamente, somos invadidos através dos canais de informação com programas sobre futebol. Todos os dias, há pelo menos um programa deste género, e chega haver três em simultâneo, e por vezes, quando há jogos a meio da semana ou da Liga dos Campeões ainda há programas especiais que versam sobre o mesmo tema - Futebol.
O formato é semelhante em quase todos eles. Um jornalista moderador e três personagens públicas a defender o seu clube: ora do Benfica, do Porto ou do Sporting.
Este tipo de programas não é recente, existem há vários anos, lembro-me que nos finais dos anos 90 havia um moderado por David Borges em que os comentadores chegaram a vias de fato.

A desonestidade intelectual é gritante. É certo que cada um vê com olhos que tem, mas não deixa de ser impressionante que figuras tão inteligentes consigam ver o que as imagens não mostram, e refutam ou afirmam com as suas retóricas barrocas o que as imagens desmentem.

O fervor com que estas figuras públicas defendem os seus clubes trespassa a razoabilidade e o discernimento, parecem que ficam possuídas pelo diabo.
O que me impressiona ainda mais, é que os comentadores que são figuras públicas e com cargos relevantes na sociedade portuguesa (juízes, advogados, médicos, músicos, deputados, etc.) fazendo por isso, parte dos quadros mentais deste país se exponham de forma tão leviana e grotesca.

O que faz com que estes programas tenham audiências enormes e quase sempre não dizem nada de relevante?
E o que dizer das redes sociais, nomeadamente o facebook em que é uma banalidade os amigos estarem desavindos por causa do futebol?

Pessoas que se insultam por pertencerem a clubes adversários com um ódio e escárnio fanático, obsessivo e doentio e, que o objetivo é atingirem o outro sem nenhum respeito!

Este fanatismo, julgo que tem similitudes com a religião. O futebol contemporâneo veio ocupar um espaço deixado outrora pela religião.
Há uns anos atrás nos meios mais pequenos; o rico e o pobre, o magro e o gordo, o bonito e o feio, encontravam-se ao domingo na Igreja; havia um sentimento de pertença independentemente da sua condição social ou étnica. Ora, atualmente, os estádios de futebol funcionam um pouco como Igrejas, onde as pessoas encontram um elo de ligação entre si (amor clubístico), independentemente das suas idiossincrasias. Tal como antes, o rico e o pobre, o magro e o gordo, o bonito e o feio, encontram-se no mesmo plano de igualdade, com o forte sentimento comungado pelo amor a um clube.

PS - Em vésperas de um Benfica – Porto, absolutamente decisivo para o próximo campeão nacional 2014/2015, desejo muita alegria a todos os adeptos de futebol, e que deixem de lado a religião e o fanatismo… Quando o fanatismo e o resultado se juntam… é o Diabo quem dita a sentença…

Severitas assidua amittit auctoritatem – A severidade constante perde a autoridade.

                                                                       Sintra, 24 de Abril de 2015

                                                                                  José M. T. Gomes

segunda-feira, 6 de janeiro de 2014

Eusébio – Pantera Negra – The King


Faleceu um símbolo nacional e uma lenda do futebol mundial, aclamado por todos e reconhecido pela FIFA com um dos melhores dez jogadores da História do futebol mundial.

Eusébio - Pantera Negra - The King

Não tive a felicidade de o ver jogar ao vivo, visualizei as imagens disponíveis que infelizmente não são muitas e os inúmeros relatos de colegas, admiradores, adversários e algumas das maiores glórias do futebol mundial contemporâneos de Eusébio: Pelé, Di Stefano, Johan Cruyff, Ferenc Puskás, Lev Yashin, Bobby Charlton, Franz Beckenbaue, entre tantos outros.
O génio do Pantera Negra e a dimensão planetária são evidentes pelo destaque que a imprensa mundial (sem exceção) deu ao seu desaparecimento, um ícone do desporto Rei.
Eusébio fez carreira numa época em que Portugal era um país cinzento, isolado, governado sob uma ditadura e fechado ao mundo, é extraordinário como rompeu fronteiras e tornou-se uma das maiores referências de Portugal em todo o Mundo dando alegria e sorriso aos pobres, esperança aos desafortunados e seduziu milhões com a sua singularidade dentro do campo perpassando gerações e gerações.
Mas Eusébio foi mais do que um genial futebolista, foi um exemplo a seguir, porque fez do desporto um ponto de encontro cultivando amizades onde quer que fosse e um veículo de união de pessoas.
Eusébio era uma força da natureza: força física, velocidade, inteligência, instinto felino, remate demolidor, vontade ilimitada de vencer;
Eusébio tinha a ingenuidade e a inocência de um menino, quase pedia desculpa pelos golos que marcava, consolava os seus adversários e a sua simplicidade e carácter contagiaram o mundo inteiro que chorou e glorificou um grande da Humanidade.
Até na morte, Eusébio foi catalisador de união. Nunca assisti a tanto consenso nacional como o tributo que lhe foi prestado com toda a justiça.
 
 Obrigado Pantera Negra.
 At non ingenio quaesitum nomen ab aevo excidet: ingenio stat sine morte decus [Propércio] - Mas o prestígio conquistado pelo talento não se perderá com o tempo: a glória do Génio resiste à morte.
 

segunda-feira, 27 de maio de 2013

O pesadelo benfiquista

O impensável aconteceu! A um passo da glória o Benfica mergulhou num inferno de frustração e insucesso. Tão próximo de conquistar três troféus perdeu no Dragão com o F.C. Porto nos descontos (um empate servia para ser campeão), perdeu a Liga Europa com o Chelsea nos descontos e perde a final da Taça de Portugal com o Vitória de Guimarães sofrendo dois golos em dois minutos de forma inacreditável. A tudo isto, alastram-se problemas de indisciplina e contestação ao treinador Jorge Jesus, culminando com a reação descontrolada de Cardozo no final da taça de Portugal. Portanto, é normal a contestação dos sócios e dos benfiquistas sobre a continuidade de Jorge Jesus no comando técnico.
 
Na anterior crónica defendi que o Luís Filipe Vieira devia ter anunciado a renovação com Jorge Jesus antes da final da Liga Europa, de forma a exercer uma liderança pró-ativa transpondo para a equipa um sinal de continuidade e estabilidade. As declarações à impressa após o jogo do Chelsea respondendo a uma pergunta de um jornalista sobre a continuidade de Jesus, LFV respondeu:”…se calhar não são dois mas quatro anos de contrato…”. Ora, LFV tem cerca de 18 anos de dirigismo desportivo, ainda assim, teima em não acertar os momentos certos para se expor à imprensa nem tão-pouco escolher o timing emocional para proferir declarações.
 
Mas este é o momento certo para tomar decisões e fazer uma análise dos últimos quatro anos de reinado de Jorge Jesus, com a coragem e objetividade. Contrariamente à corrente da maioria, eu apoio a continuidade de Jorge Jesus (gostaria que LFV tivesse a coragem de o manter).
 
O Benfica tem uma estrutura amadora e incompetente, tem sido o Jorge Jesus a “dar o peito às balas” e encurtou enormemente a diferença de performance entre Benfica e Porto. Normalmente, quando as coisas vão de feição LFV chama a si o protagonismo e os créditos do sucesso, mas quando corre menos bem os (ir)responsáveis escondem-se nas costas do Jorge Jesus.
 
É evidente que JJ cometeu muitos erros, provavelmente não cometerá tantos no futuro, mas há determinados aspetos que são desconhecidos do grande público como por exemplo: qual é a responsabilidade do treinador na escolha do plantel? Qual o critério das aquisições e vendas? Por que motivo o treinador tem de adaptar constantemente jogadores a outras posições?
 
A época do Benfica teve um final trágico, mas ainda assim, não tenho nenhumas saudades da era antes de Jesus, não tenho saudades nenhumas dos tempos de Fernando Santos, Camacho ou Quique Flores. Claro que há muitos bons treinadores para treinar o Benfica, mas eu gostaria de ver o Jorge Jesus mais uma época, com o apoio desta direção e acertos no plantel.
 
 Auscultare disce, si nescis loqui [Pompónio] – Aprende a ouvir, se não sabes falar.

segunda-feira, 13 de maio de 2013

O jogo do título e Liga Europa?

O jogo de sábado à noite (11/05/2013) entre o F.C. Porto e Benfica no Dragão não foi um grande espetáculo, mas foi dos mais emocionantes dos últimos anos do futebol português. E percebe-se porquê: o F.C. Porto teria forçosamente de vencer esta partida para poder ser campeão dependendo de si próprio, relativamente ao Benfica, a vitória resolveria definitivamente a questão do título. O empate levaria a decisão final para a última jornada: onde os Dragões vão jogar a Paços (com a pré-eliminatória da Champions garantida) e o Benfica recebe o Moreirense que precisa desesperadamente de um ponto para ficar no escalão maior do futebol português.
Ora, facilmente se percebe que a derrota do Benfica foi como entregar o título de bandeja ao F.C. Porto, embora o Benfica ainda tenha cerca de 30% de hipóteses de vencer o campeonato se: vencer o Moreirense em casa e o F.C. Porto não vencer na Mata Real o sensacional Paços de Ferreira.
Não vou falar das opções do jogo do Dragão, porque o meu coração vermelho impede a assertividade e objetividade desta crónica. Por outro lado, se o Benfica não perde o jogo no Dragão e de forma tão dramática, seguramente que todos os jornais e a blogosfera capitularia em calorosos elogios ao Benfica, à sua estrutura, equipa técnica e jogadores.
O motivo desta crónica é outro: é como deve reagir o líder do Benfica Luís Filipe Vieira num momento tão delicado como este? Em que o fantasma do Peseiro no Sporting assola a nação benfiquista, em que o limite da glória e do fracasso é tão ténue que se desfaz num simples sopro sem aviso prévio!
Nestas últimas quatro épocas critiquei de forma veemente as opções e gestão dos recursos do treinador Jorge Jesus, esta, terá sido porventura a época em que menos o critiquei. O Benfica não tem um plantel suficientemente equilibrado para disputar todas as provas, mormente a Liga portuguesa e uma competição europeia.
A estrutura do Benfica encabeçada pelo seu presidente, voltou a cometer os mesmos erros de épocas anteriores, começaram a dar entrevistas demasiado cedo, reservou-se as faixas cedo demais e Vieira protelou a situação contratual de Jesus apesar das afirmações inócuas que “Jorge Jesus é o meu treinador…".
Na quarta-feira o Benfica pode vencer uma competição europeia, e isso é fazer História num clube.
Este é um momento de afirmação (ou não) da liderança de Vieira. O presidente devia viajar com todo o staff para disputar a final em Amsterdão com a renovação do Jorge Jesus resolvida. Seria um ato de liderança e uma mensagem muito forte para todo o grupo trabalho, e um sinal inequívoco de confiança; porque as palavras “Jesus é o meu treinador…” são tão válidas agora, como a dispensa dos seus serviços após o jogo contra o Chelsea.
 

sexta-feira, 20 de julho de 2012

O desaparecimento de um exemplo

Foi com tristeza e consternação que Portugal recebeu hoje a notícia do desaparecimento do Prof. José Hermano Saraiva. Há poucos anos dizia Júlio Isidro que José Hermano Saraiva tinha tantos anos de televisão como tinha a televisão de vida em Portugal. De fato, desde muito pequeno que me lembro dos seus programas sobre a nossa História, julgo que visitou todos os trezentos e muitos conselhos de Portugal durante mais de quarenta anos. Comunicador exímio, inteligente e arguto, cultíssimo e humilde, José Hermano Saraiva foi (continuará a ser…) uma das principais figuras públicas que mais admiro e vou continuar a admirar.
Teve uma vida cheia, foi um brilhante advogado, ministro da Educação do Estado Novo, embaixador de Portugal no Brasil mas foi sobretudo, como apresentador / comunicador, escritor e historiador que se destacou.
A sua obra, o seu legado continuarão perenes para as gerações vindouras e são uma fonte inesgotável e preciosa de conhecimento sobre o nosso país e a forma de ser português, com todas as qualidades e defeitos, mas acima de tudo, singulares.
Outro fato que acho excecional é nunca se ter ouvido uma única crítica de desonestidade, para quem passou tantos anos nos meios mediáticos e fez a transição da ditadura para a democracia é notável, e percebe-se que estamos perante uma personalidade absolutamente invulgar e de grande caráter.
 
Onde quer que esteja, envio-lhe um grande abraço e um muito obrigado pelas imensas coisas que nos ensinou.
In otio cum dignitate [Cícero] - No descanso com dignidade.

quarta-feira, 13 de junho de 2012

Dia D para a Seleção Nacional

A última conferência de imprensa do selecionador nacional foi lastimável. A postura arrogante adotada durante a conferência, a forma como respondeu a jornalistas estrangeiros, e a réplica que deu às críticas (legítimas) de ex-companheiros, nomeadamente, Rui Costa e Figo, foi um espetáculo lastimável que enaltece a medíocre de Paulo Bento.
Falta-lhe quase tudo. Capacidade de liderança, clareza no discurso, resistência à crítica, e capacidade de comunicação.
A seleção Nacional tem ótimos jogadores (ainda que alguns tenham ficado de fora), e é uma pena que talentos como Cristiano Ronaldo e Nani estejam sob o comando desta personagem absolutamente anedótica. Estes jogadores estão a ser vítimas da incompetência e impreparação deste selecionador.
Hoje vai ser um dia decisivo para a continuidade de Portugal no torneio. Todavia, logo à tarde quando o jogo começar serei um apoiante incondicional da seleção portuguesa, sobretudo por causa dos jogadores.
Alguns comentadores e certa comunicação social indigna-se com as críticas dirigidas à Seleção Nacional, como se esta estivesse acima da crítica. Outros, por ignorância ou veneração, confundem a Seleção Nacional com Portugal, o que na minha opinião é um erro grosseiro que revela enorme imprecisão e mistura de conceitos e sentimentos de pertença.
Sou um orgulhoso português e sempre defendi os meus compatriotas em Portugal e por toda a diáspora, mas não me identifico em nada com os responsáveis desta seleção.
Independente do resultado, uma coisa será certa: amanhã será outro dia e o sol radioso que ilumina Portugal voltará a sorrir aos portugueses, porque Portugal tem oitocentos anos de História e é a essa pertença que eu me identifico totalmente.



Não há outro pecado além da estupidez

Óscar Wilde

quarta-feira, 6 de junho de 2012

Seleção Nacional e o Euro 2012

Manuel José aos microfones da rádio TSF criticou intensamente a forma como os responsáveis da Seleção Nacional estão a preparar o Campeonato da Europa na Polónia e Ucrânia. Estou completamente de acordo e vou mais longe: temos todos os ingredientes para uma das piores prestações em campeonatos europeus.
O selecionador Paulo Bento não tem classe como treinador, nem tão-pouco, tem carisma como líder. A forma como tem vindo a tratar alguns jogadores é disso um exemplo paradigmático (Ricardo Carvalho, Bosingwa, Hugo Viana, etc.).
Portugal é a única seleção do grupo que nunca foi campeã da Europa, e tem duas delas que são crónicas candidatas a vencer qualquer competição: a Holanda e a Alemanha.
Os dois últimos jogos de preparação causaram pasmo e preocupação, não tanto pelos resultados, mas pela falta de entrosamento dos jogadores e uma péssima gestão dos recursos.
Os jogos de preparação devem servir para a provável equipa titular ganhar mecanismos para limar e fazer os acertos necessários para a competição. Estes jogos devem ser levados mais a sério, não em termos de ímpeto físico, mas nas movimentações dos jogadores, passe, desmarcação, acerto nas marcações dos adversários e não uma feira de vaidades que se dá minutos a um e a outro, para quê?
Todos estes jogadores são titulares nos seus clubes, acabaram de fazer épocas longas, têm muitos jogos nas pernas, não precisam por isso de minutinhos. A preparação da seleção deve ser encarada com maior seriedade e profissionalismo. Quanto mais a equipa estiver entrosada, mais fácil será um ou outro jogador integrar-se na dinâmica da equipa.
Sendo um homem bastante otimista na vida, não tenho motivos nenhuns para estar otimista em relação à Seleção Nacional.

PS – Somos um povo com enorme paixão pelo futebol e pela Seleção Nacional e este tipo de eventos causam sempre enorme impacto na autoestima dos portugueses, sobretudo num momento tão difícil para o nosso país. Causa-me por isso enorme perplexidade que a Federação Portuguesa de Futebol é a mais dispendiosa de todas as equipas do euro em hotéis, estágios, restaurantes, etc. É um mau presságio tanta luxúria e volúpia em contraste com as dificuldades diárias por que passam os nossos cidadãos lusos.

Cras alia evenient [Branco] – Amanhã acontecerão coisas diferentes.

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

Pedro Emanuel no Porto!

Escrevi neste espaço que o F.C Porto de André Villas-Boas podia ser um candidato a vencer a próxima Liga dos Campeões com o mesmo nível competitivo da época anterior, assegurando os melhores jogadores.
Ainda mantenho essa convicção.
Todavia, a saída de André Vilas Boas para o Chelsea foi claramente um revés no que se adivinhava ser mais uma época de glória para os Dragões.
Pinto da Costa jamais equacionou perder o seu treinador a uma semana de começar oficialmente a nova temporada. O desejo de Villas-Boas e a cláusula de rescisão milionária foram insuficientes para mantê-lo ao serviço do clube. As libras e a vontade do técnico driblaram e manietaram os responsáveis do F.C. Porto, ainda assim, significou um encaixe financeiro que nenhum outro clube do mundo jamais recebera por um treinador.
A promoção do adjunto Vítor Pereira a treinador principal e o valor da cláusula de rescisão foram recebidos com surpresa e desconfiança.
E isto aflora dois aspectos que gostaria de expor: quando os números dois passam a número um e a ideia de que treinar o F.C. Porto é uma tarefa facilitada pelo apoio da estrutura e, portanto, qualquer treinador tem sucesso.
Ora, salvo raras excepções, a promoção de um número dois a número um numa equipa, numa empresa, etc. pode ser perniciosa. Ou é alguém com inegáveis qualidades de liderança – manifestamente não se aplica a Vítor Pereira – ou seguramente será sempre encarado pelos subordinados como adjunto e nunca como um verdadeiro líder e, por isso, raramente consegue impor a sua autoridade e respeito da equipa. Pinto da Costa não dá ponto sem nó e sabia os riscos que corria. A inusitada cláusula de rescisão foi um golpe de teatro para não passar a ideia que estaria a prazo.
Vítor Pereira é a prova cabal que treinar o F.C. Porto não garante sucesso. É imprescindível ser-se competente em diversos domínios (técnico, táctico, motivacional, liderança, gestão de recursos, gestão de expectativas e frustrações, etc.), acresce ainda, a dificuldade de lidar com “miúdos” ricos e imaturos, particularmente no futebol de altíssima competição. Mesmo com sobressaltos de resultados, a equipa está na liderança do campeonato e ainda pode passar a fase de grupos da liga dos Campeões.
O F.C. Porto é um Case Study na mestria de recrutamento, promoção e valorização de jogadores e treinadores, sendo o clube que mais e melhor vende na Europa, encaixou perto de 500 milhões de Euros nos últimos oito anos, é obra! Portanto, não vejo como possa ser possível este clube cometer erros tão primários, e de facto, não os cometeu.
Quando Villas-Boas deixou o clube pensei que Pedro Emanuel seria a melhor escolha para o substituir, mas o timing não era o melhor. Se tivesse no lugar de Pinto da Costa teria feito exactamente o mesmo: apostando por um lado na continuidade sem grandes rupturas nem sobressaltos; mesmo sabendo os riscos que a promoção de um adjunto a principal acarreta. E dando espaço por outro a Pedro Emanuel de crescer como técnico principal formando e liderando a sua própria equipa para poder ganhar mais calo e preparar um regresso desejado. O bom trabalho em Coimbra causa perplexidade apenas para os distraídos.
Posto isto, antevejo um regresso de Pedro Emanuel, para a próxima época ou mesmo na reabertura do mercado.

PS- Boa sorte ao F.C. Porto para logo à noite. Somente uma vitória pode manter ainda a chama acesa para a próxima fase Liga dos Campeões.

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Portugal: Passado e Futuro

Com o aparecimento e fortalecimento da economia de novos países emergentes como Brasil, China, Índia, Japão e alguns países africanos impeliram a Europa e os EUA para uma crise que há muito não se vivia desde a Segunda Guerra Mundial.
Portugal, sendo uma país periférico inevitavelmente teria de sentir as consequências da crise europeia e americana ao contrário do que fora previsto nos últimos anos por “lunáticos irresponsáveis” que foram perdendo aderência à realidade.
É chocante a descrença anunciada nos debates televisivos, nos telejornais e na imprensa generalizada sobre o futuro dos portugueses e a insistência na cantilena daquilo que chamo “apocalipse social e civilizacional”.
E o que dizer dos que vilipendiam diariamente a Troika como se fosse a causa de todos os infortúnios de Portugal?
Foi a Troika que governou Portugal nos últimos anos?
A Troika emprestou dinheiro porque Portugal solicitou quando estava perto da bancarrota e não havia dinheiro para pagar os salários da Administração Pública. Mas não vale a pena culpabilizar ou lamentar o que deveria ter sido feito e não foi. É tempo de agir.
É verdade que existem muitos portugueses que passam por sérias dificuldades – esses têm de ser poupados: o desemprego atingiu números inimagináveis, as progressões de carreira estão na rua da amargura. Teme-se pelo desemprego e os funcionários públicos andam com o credo na boca.
Infelizmente, muitos portugueses empobreceram e perderam qualidade de vida, porque também inúmeras empresas foram fechando portas em catadupa nos últimos anos.
O mundo mudou, não é mais o mesmo e o tempo não anda para trás. Portanto, há que reinventar um novo país e um novo estado social, arregaçar as mangas e pôr mãos à obra.
Como estávamos não vamos mais estar: desenganem-se os nostálgicos pesarosos.
Os portugueses vão ter de superar os obstáculos que a crise impôs, porque a vida é uma sucessão de demandas, não podemos ter tudo garantido pelo Estado. Lamentar não nos leva a lado nenhum. Cada português erige e forja o presente e o futuro de Portugal, porque cada cidadão tem legitimamente expectativas quanto ao futuro.
Sinceramente eu acredito em Portugal!
Nem sempre conseguimos fazer aquilo que queremos ou gostamos, mas aquele que gosta de fazer aquilo que faz e sente orgulho em fazer melhor, certamente cada dia que passa vai mais longe.
Os próximos tempos vão ser de mudança e agitação, brotando desafios e novos objectivos aos portugueses. E quando a vida nos provoca e incita coragem, arrojo e criatividade e um inabalável espírito de luta e sacrifício só nos pode conduzir a bom porto.
Nem sempre as boas intenções são suficientes para governar, é preciso agir. Perorar com megafone na mão atacando não se sabe bem quem e reclamando disfarçadamente o poder que o povo nunca lhes confiou não nos conduz a lado nenhum.
Confiar no futuro é fitar o presente nos olhos com coragem sem arrogância mas com confiança. Por vezes, o modo como encaramos as dificuldades é que faz toda a diferença: às vezes perguntamo-nos: como conseguiremos ultrapassar mudanças tão radicais que se apresentam diante nós. Como se mudássemos de palco, onde coisas que fazíamos tão bem e éramos reconhecidos precisam ser reaprendidas porque foram superadas pela inexorável passagem do tempo.
O incrível é que justamente diante de situações tão adversas muitos redescobrem o que têm de melhor: a ética, a amizade, a solidariedade, a confiança, a lealdade e a capacidade de criar novas estratégias; tudo isto aflora quando as circunstâncias extraordinárias assim o exigem.
A combinação de energia e inteligência, bem como o equilíbrio entre a razão e a emoção são fundamentais para o pôr Portugal no caminho da vanguarda europeia.
Com a queda do império colonial Portugal apostou tudo na Europa voltando costas ao mar. O mar que nos deu tantas alegrias, glórias e fama. O mar que possibilitou a diáspora portuguesa que labuta em terras longínquas espalhando a nossa portugalidade pelo mundo fora.
O Governo está a adoptar medidas difíceis mas necessárias, impopulares mas realistas, nenhum governante de ânimo leve corta despesas que afectam directamente as famílias. Os ajustamentos que estão a ser efectuados em Portugal são a metade de uma moeda, pois o reverso terá de passar forçosamente pelo investimento (materiais e humanos) que permita o crescimento económico.
Portugal não tem uma grande indústria como têm alguns países da Europa.
Portugal não tem petróleo, ouro, diamantes ou gás natural, mas tem a força das ondas do mar, do vento, um sol radioso durante todo o ano; praias ledas e campos viçosos.
Portugal possui duas enormes riquezas: a sua gente e o legado da língua.
O português é a quinta língua mais falada no mundo. Mais de duzentos milhões de pessoas falam a língua portuguesa. Alguns países da CPLP (Comunidade dos Países de Língua Portuguesa) estão com taxas de crescimento económico brutais. Comungamos o mesmo idioma, a mesma forma de estar e sentir; rimo-nos das mesmas coisas, e isso facilita tudo; nomeadamente os negócios e a cooperação entre países impelidos por interesses comuns.
Foi um erro grasso virar ostensivamente as costas ao mar e apostar tudo na Europa. Nem tudo é preto e nem tudo é branco.


Não é fácil abandonar hábitos e costumes; não é fácil adaptarmos a novos meios ou usar novos recursos nos quais não estamos familiarizados, mas o pessimismo e a insegurança nos momentos de dificuldade só atrapalham. Ainda que as ameaças venham de todos os lados – ou pelo menos, seja essa a nossa percepção –, com agilidade, energia e determinação podemos alcançar um futuro jubiloso.

Depois da tempestade virá a bonança. Sentiremos uma sensação extremamente agradável de chegar ao fim de uma etapa com a consciência do dever cumprido e obter o reconhecimento daqueles que nos rodeiam e a admiração das pessoas que amamos. O orgulho de quem viu nas adversidades e obstáculos a oportunidade de crescer; o orgulho de quem soube passar as turbulências e agruras da vida e vencer… e os portugueses vão vencer!

sábado, 12 de novembro de 2011

Multa ou Assalto?

O trânsito está caótico como é hábito aos dias de semana. Por vezes, demoro cerca de uma hora para percorrer meia dúzia de quilómetros. Normalmente tomo a marginal de Luanda, viro à esquerda na rua Serqueira Lukoki, mais conhecida pela rua do edifício BPC. Chegando ao cimo da rua tenho múltiplas alternativas na direcção da Cabral Moncada, situada entre a Maianga e a Sagrada Família. Desta vez, porém, tomo outro caminho. Em vez da marginal como de costume, vou por dentro, pela rua Major Kanyangulo uma contígua à marginal.



À minha esquerda, uma subida sem trânsito em direcção à Calçada Comandante Veneno. Olho com atenção, o sinal atesta a legalidade da manobra que farei a seguir. Ao subir a rua, novamente o trânsito parado. Inesperadamente sou surpreendido pela mão fechada dum polícia a bater toscamente no vidro do meu lado esquerdo.
“Abra o vidro e mostre-me a sua carta de condução”, ordena bruscamente.
“Boa tarde Sr. Agente. Há algum problema?”
“Sim há. O senhor circulou numa rua de sentido proibido”, mantém o tom de voz seco e hostil, e de seguida pede-me novamente a carta de condução.
Só nessa altura dou conta que não tenho os documentos pessoais. Costumo tê-los na minha pasta, mas por mero acaso não a levara nesse dia. Todavia, no porta-luvas tenho sempre 1.000 Kwanzas para o pagamento das famosas “gasosas”. Um eufemismo para suborno. A palavra “suborno” pode chocar o leitor, mas em Luanda, este comportamento está dentro dos padrões da vida quotidiana, é portanto, uma conduta banal.
“É melhor pagar e evitar chatices.” Fora-me dito inúmeras vezes por colegas de empresa e outros portugueses que por aqui trabalham, e acrescentam: “quando um polícia em Luanda teima com alguém – sobretudo se for branco – não há nada a fazer. O melhor é mesmo pagar.”
Devo confessar que este argumento nunca me convenceu; até porque, quando aqui estive pela primeira vez em 1999, comportei-me exactamente ao contrário. Uma vez, numa tentativa de extorsão vil, ameacei um energúmeno da farda de o despedir vejam só!
“Você sabe com quem está a falar? Você não me conhece! Quer perder o emprego?” – Rematei num impulso inesperado. O polícia ficou tão azamboado que rapidamente se desfez em desculpas.
“Desculpe Sr. Doutor”, abrindo caminho à minha passagem. O meu colega André que fora comigo ficou lívido de espanto.
Com os anos, vamos amadurecendo na adega da vida, moderamos os nossos comportamentos e aprendemos a controlar melhor os nossos impulsos.
Moderados os impulsos de outrora, quando comecei a conduzir sozinho em Luanda por meados de Agosto, acabei por ser preza fácil e apetecível para os tiranetes da farda.
Como há pouco referi, os portugueses (e não só!) a trabalhar em Luanda optam pelo pagamento das “gasosas” evitando assim, embaraços maiores. De facto, há histórias grotescas. Certa vez, um agente de trânsito ordena a paragem de um automobilista. Envolvem-se numa troca de palavras:
“Você não parou no sinal…” Assevera o polícia.
 “Mas não há sinal nenhum!” Responde o motorista.
“Não há, mas já houve…”
Outra história, passou-se comigo, com o director da empresa Ogimatech (grupo Reditus) João Canário e mais um colega – creio ter sido o Fortes. Após um jantar no São João, fomos beber um copo à Ilha do Cabo. Durante o caminho entre risadas e desabafos das minhas aventuras e desventuras com a polícia angolana, recebo uma vez mais ordem de paragem, muito perto do Edifício do BPC mesmo no centro da cidade. Este imponente edifício – o mais alto da foto – é uma marca incontornável da presença colonial portuguesa em Angola, talvez seja a última grande obra portuguesa no Ultramar. Vai fechar para remodelação, espero que não estraguem a sua fachada histórica, um marco indelével da arquitectura portuguesa em África.
Desta vez paguei 2.000 Kwanzas (cerca de 20 Dólares), porque a fotocópia do passaporte estava em “mau estado de conservação” e o João Canário pagou a mesma quantia já nem me lembro o motivo. A fotocópia tinha cerca de 15 dias, portanto, estava em bom estado. Um abuso de autoridade abominável; mas ou pagávamos ou ficávamos com a noite estragada.
Voltando ao início. O energúmeno do polícia ordenou que saísse do carro ameaçando levar-me para a esquadra.
“Para a esquadra? Isto é ridículo! Está a pôr-me à prova e quer dinheiro”, pensei.
Abri o porta-luvas, tirei os documentos do carro, coloquei a nota de 1.000 Kwanzas debaixo dos documentos e entreguei-os ao polícia acrescentando:
“Pegue. É o que tenho comigo. A carta de condução e o passaporte ficaram em casa mas posso lá ir buscá-los se assim entender.” Estava relativamente perto de casa, em Luanda não há longe nem distância, tudo é perto de tudo.
A expressão do polícia denunciou a desilusão pela quantia do pagamento, e senti de imediato a sua exasperação.
“Saia imediatamente do carro e acompanhe-me à esquadra.” Volta a ordenar bruscamente na vã tentativa de me acabrunhar perante a sua intimação.
Mas não me intimido. Aceito o desafio e vou a jogo. “Lá se vai o meu treino de final de tarde”, pensei.
“Muito bem.” Assenti. “Vamos então para a esquadra.” Fito-o com firmeza e perpassa algum embaraço da parte do polícia visivelmente surpreendido pelo meu atrevimento.
“Talvez tenha cometido um erro ao pegar na nota de 1.000 Kwanzas”, penso enquanto estaciono o carro e pego nos meus pertences (carteira, telemóvel). Por duas razões: primeiro mostrara pouca convicção nos meus argumentos. Se não cometi nenhuma irregularidade na condução como explicar a precipitação em pagar-lhe? Segundo, e seguindo este raciocínio, “se com esta facilidade quis pagar, com alguma dificuldade pagará muito mais!”, deve ter raciocinado o polícia que andava na casa dos vinte e muitos anos; era mais alto que a maioria dos angolanos; agressivo mas pouco convincente; e o andar desengonçado denunciava timidez e pouca assertividade.
Depois de calcorrear cerca de cinco metros o polícia pára e encaminha-me na direcção do seu superior hierárquico. Expus os meus argumentos e insisti que não cometera nenhuma infracção ao ter entrado naquela rua. A única infracção cometida fora a falta dos documentos. Mas o polícia teimava que eu estava errado.
“Sr. Agente, volto a explicar-lhe que no início da rua está lá um sinal de sentido único, portanto, é uma rua transitável no sentido que tomei.”
“Está enganado. O senhor deve andar conforme o sentido em que os carros estão estacionados. Olhe para lá e diga-me se vê algum veículo estacionado na direcção que veio?”
“Ora essa! Então para que servem os sinais? Porque insisto: está lá um sinal!”
“Pois está. Está e não devia estar! Sabe?”, Uma pausa na sua argumentação gera um ambiente de suspense; com um tom de voz suave e monocórdico assume uma postura paternal e enfatiza a confidência que fará a seguir: “para andar em Luanda é preciso conhecer bem toponímia da cidade.” Tive de girar o pescoço e mascarar o riso entre dentes de tanta imbecilidade. Talvez quisesse dizer tipologia, não sei!
“Então e agora? O que fazemos?” Pergunto-lhe.
“Vamos fazer o seguinte: você vai ligar-me para o telemóvel para registar o seu número; o seu cartão de cidadão fica comigo enquanto vai a casa buscar o seu passaporte e a sua carta de condução. “Você tem mesmo carta de condução não tem?” Mostrando zelo pela causa pública.
“Claro que tenho Sr. Agente. Então acha mesmo que se não tivesse carta de condução conduzia em Luanda?” Mostro-lhe o ridículo da sua dúvida.
“Tem razão. Acredito na sua palavra”, a duplicidade do sentido desta última frase significava que confiava num pagamento generoso da minha parte.
”Então vá buscar os seus documentos. Mas não se demore muito hã! Se por um acaso o carro patrulha não estiver aqui, ligue-me para o telemóvel porque vamos andar por esta zona.”
Apesar do contratempo não mudei os meus planos pessoais: o treino de final de tarde na Ilha do Cabo não estava posto em causa. Durante o caminho de casa pensei na melhor solução e revisei toda a cena. Analisei cuidadosamente todos os dados: por um lado ordenaram que parasse por uma suposta infracção que não cometi; mas por outro, não trazia os documentos; por um lado um dos guardas desprezou a nota de 1.000 Kwanzas – obviamente porque era pouco; mas se a intenção fosse aplicar a lei não faria nenhum sentido ir a casa para lhes levar os documentos. A conclusão fora simples: 1.000 Kanzas era insuficiente para serem divididos por dois; a ida a casa fora um pretexto para subir a oferta. Todavia, não estava na disposição de pagar nem mais um cêntimo, nem mais um dólar, nem mais um kwanza e pagaria somente os 1.000 pela falta dos documentos, “que se lixem. Passem a multa.”
Seria este comportamento sensato? Não estaria a cometer um risco? Não seria melhor abrir os “cordões à bolsa” e esquecer este episódio pitoresco?
Em Luanda escurece por volta das 18:15h. A noite tomara de assalto a cidade tornando os edifícios lúgubres e taciturnos abafados pelo mau cheiro que empesta a cidade. Chegado ao local acordado não avistei nenhum dos polícias. Peguei no telemóvel, liguei para o mais graduado e esperei. Ao fim de dois ou três minutos a calçada é iluminada pelas luzes fantasmagóricas projectadas pelas sirenes do carro patrulha da divisão de Ingombota que pára a cerca de dois metros. Olho com atenção para o seu interior e vejo três polícias: “três polícias?!” Talvez devesse ter trazido mais dinheiro pensei. Se o primeiro desprezou os 1.000 Kwanzas, como poderiam agora três satisfazer-se com esse montante?
«O que não tem remédio, remediado está» diz o povo e com toda a razão.
Sem perder tempo e sem rodeios aproximei-me do carro patrulha da divisão de Ingombota, do lado oposto ao condutor. O guarda abre o vidro e entrego-lhe em mão toda a documentação. Passou os olhos pelos papéis com desprezo sobranceiro e entregou-os ao seu superior. Calmamente, fingiu analisar a documentação diligentemente e fez um compasso de espera embaraçoso. “Afaste-se do carro, você não pode pôr aí os braços. Afaste-se!” Grunhiu intempestivamente o verdugo subalterno referindo-se à postura dos meus braços assentes na porta do veículo. O comportamento reiteradamente agressivo mostrava claramente insegurança e nervosismo que contrastava na perfeição com o meu estado de espírito. Calmo, sereno, confiante e disposto a correr todos os riscos, mesmo que implicasse o pagamento de uma multa pela falta dos documentos.
O comportamento hostil funcionava contra os próprios polícias visivelmente atrapalhados pela minha perseverança. Percebi que quanto mais agressivos se tornavam mais nervosos ficavam o que deu clara vantagem e predomínio sobre todos eles.
O superior ordena que se cale. Olha na minha direcção e diz:
“Senhor José Gomes. Vou sair do carro para falarmos os dois a sós calmamente.”
“Mas eu estou calmíssimo.” Respondi sorrindo para o interior. Contornei o carro patrulha e fui ao seu encalço para falarmos mais à vontade. Entretanto, os outros dois apeiam-se do carro, um fica a cerca de dois metros do local da nossa conversa e o outro afasta-se com o meu cartão de cidadão.
“Então Sr. Agente? A documentação está em ordem?”
“Está sim.” Entrega-me a documentação e verifico que falta o cartão de cidadão.
“Falta um documento Sr. Agente.” Começa a falar fingindo não ter ouvido.
“Mas sabe? Enquanto você foi a casa tive muito trabalho para convencer ali o meu colega a não lhe passar a multa. Consegui convencê-lo que você era um cidadão de confiança, acredite que tive muito trabalho, não foi nada fácil. Mas olhe que ele está disposto a perdoar-lhe a multa”, ergueu os braços triunfantes e contínua “agora depende de si. Tem de lhe dar mais qualquer coisa”.
“Desculpe Sr. agente. Não podem passar multa por ter circulado naquela rua. Isso é ilegal.”
“O meu colega não pensa assim. É melhor dar-lhe mais qualquer coisinha para o acalmar”. Obviamente que a referência que era feita ao colega era uma tríade de vontades.
“Mas eu já lhe dei e ele não aceitou” respondi afavelmente, puxando a nota de 1.000 Kwanzas do bolso, “está a ver? Dei-lhe há pouco e ele não a quis!”
“Pois! Mas tem de dar mais porque isso não chega, ele está disposto perdoar a multa se você colaborar. Tem de ser mais generoso com ele está a ver?“
“Muito bem.” Assenti.
“A única coisinha que lhe dou são os 1.000 Kwanzas que ele recusou há pouco. Ou os aceita, ou então que passe a multa”, não desarmo e tomo embalo para o bluff.
“Só isso. Não sei se ele vai aceitar”, retorquiu.
“Isso é um problema dele. Não é um problema meu”, e contínuo com a exposição, “sabe Sr. Agente? Estou muito à vontade porque se passarem a multa também não a vou pagar. O único problema é o tempo que estou a perder com vocês em vez de estar a treinar na ilha. É só por isso que lhe dou os 1.000 Kwanzas porque senão nem isso vos dava. Tenho muitos contactos aqui em Angola e é por isso que não estou nada preocupado com a multa que possam passar, e muito menos com o seu colega. Se assim não fosse acha mesmo que esta seria a minha oferta? Acha mesmo? Tenho muitos amigos no Ministério do Comércio, basta um telefonema para retirarem a multa” O embaraço no polícia reverberou no seu outro colega que bate em retirada e afasta-se.
“Mas há mais.” Faço uma breve pausa, e contínuo em tom de confissão: “se o seu colega passar a multa pela infracção que sabem que não cometi porque está lá um sinal que permite circular neste sentido. É o mesmo que passar uma multa contra a lei; isso é inconstitucional”. Se o guarda ainda tinha alguma intenção em extorquir-me dinheiro, esta última palavra “inconstitucional” despertou-o do torpor. Visivelmente atrapalhado liga ao seu colega: ”olha lá onde estás. Temos aqui o nosso querido amigo à espera do cartão de cidadão. Onde andas? Despacha-te porque o nosso querido amigo quer ir treinar para a ilha e está a fazer-se tarde.”
Claramente assarapantado o polícia atravessou a estrada em passada larga, docilmente entrega-me o cartão de cidadão e eu dei-lhe os 1.000 Kwanzas. Fizemos as despedidas de cortesia e ao entrar no carro vejo duas motas a passar na estrada que havia tomado uma hora antes. O carro patrulha permanecia imóvel. Fui ao seu encalço, “está a ver Sr. Agente? Afinal é permitido circular neste sentido!” Entreolharam-se, encolheram os ombros, sorriram e foram-se embora.
Tal como havia planeado, fui correr para o calçadão da Ilha do Cabo, um pouco mais tarde é certo, mas fui.

A mensagem que pretendo transmitir com este episódio menor da minha vida quotidiana em Luanda, mostra nitidamente que a coragem é o motor das decisões que norteiam as nossas vidas, das opções que tomamos ou deixamos de tomar. Ter coragem não significa que não tenhamos medos ou receios. Significa vontade em enfrentá-los.
Dedico esta minha aventura ao meu querido filho e à minha mulher (dia do seu aniversário), que tenham a coragem bastante para enfrentar as vicissitudes da vida, os seus medos e receios. Porque quem mostra fraqueza não vai longe.

Animum fortuna sequitur - A sorte segue a coragem.